ADQUIRA MEU NOVO LIVRO!

Compre aqui o livro 'A Menina que nasceu Poesia'

segunda-feira, 30 de maio de 2016

A MENINA QUE QUERIA VOAR

ERA UMA VEZ, NUM LUGAR MUITO DISTANTE, MORAVA UMA MENINA QUE TINHA UM SONHO: VOAR.  NÃO PENSAVA EM OUTRA COISA O DIA INTEIRO!

Enquanto suas amiguinhas e amiguinhos brincavam com bolas, panelinhas, carrinhos e bonecas, ela elaborava asas com folhas das bananeiras que encontrava em seu grande quintal.
Corria pelos campos para pegar impulso e decolar. Nada. Tentava de novo, as folhas se soltavam, e nada da menina voar.
Os familiares dela faziam de tudo para que ela participasse de brincadeiras “normais”: compravam brinquedos, jogos, mas a menina só sabia observar os pássaros que pousavam nas árvores de seu pequeno pomar, procurando entender o funcionamento das asas daqueles animaizinhos.
Tudo o que voava, na verdade, não escapava ao olhar atento e curioso da menina: pipas, aviões, balões soltos...ela só tinha um objetivo: estar lá com eles, na imensidão do céu azul.
Debruçada na janela com o queixo apoiado nas pequeninas mãos, a menina fitava o horizonte, parece que medindo a distância para saber quanto tempo levaria se flutuasse até o infinito. Passava horas assim. Esquecia de comer, às vezes até cochilava sentada, e sonhava...sonhava que pairava sobre o telhado de sua grande casa, acenando para seus irmãos que gritavam, desesperados: - Desce daí menina! – E acordava com os gritos dos irmãos na vida real mesmo, brincando no quintal.

O tempo passou...
E passou...

E aquela menina se transformou numa linda mulher. As asas, todavia, não saíram de seu coração. Ela ainda queria voar. 
Foi então que a menina-mulher entrou para a faculdade. E logo de cara ganhou de presente uma capa, em forma de jaleco. Então a menina descobriu que seu sonho, na verdade, era um sonho de voar pelo mundo tentando melhorá-lo, procurando fazer do planeta um lugar mais gostoso de se conviver. Seu jaleco era sua capa de heroína, e seus experimentos, seus superpoderes. Através do microscópio, ela curava o micro mundo.
A menina então ganhou asas. Os pés no chão, mas o coração...ah...o coração, esse flutuando nos céus de esperança. 

Movida pelos ventos do amor àquilo que faz.


















Para Patrícia, meu amor.



domingo, 15 de maio de 2016

DORME TEU SONO


Dorme teu sono, pequenina princesa
Adormece ao tilintar de estrelas
Na tua face a lua exalta-te a nobreza
Que à noite vem, pra em seu manto envolvê-la

Dorme teu sono, que eu cá vigio
Teu doce sonho, afugentando assombração
Sou a cortina que te protege do frio
O cobertor que embala teu coração

Dorme teu sono, que o dia a espera
Num descortinar da mais vibrante vida
Quisera eu ser teu sol, quisera
Pra recebê-la em sua nova lida

Dorme teu sono, mulher-ternura
Sonha teu sonho de uma amanhã de paz
Que ao cerrar dos cílios se refaz
Escondendo neles todas as agruras

E quando enfim o dia despontar
Erga-te, pronta para um novo viver
Os pássaros, as nuvens, o Sol estarão lá
De prontidão pra aplaudirem você!